Random header image... Refresh for more!

Posts from — maio 2019

O assunto é… Alice Cooper

Bem, não sou um especialista em Alice Cooper. Tenho o “School’s Out” (1972) em CD e o “Muscle of Love” (1973) em vinil, mas a editora do site da Red Bull, a Luana Dornelas, me mandou umas perguntas para comentar a efeméride dos 45 anos do show que Alice Cooper fez nesta terra arrasada chamada Brasil em 1974. O resultado ficou bem bacana (confira aqui) e eu ainda pude colocar umas listinha top 10 de shows gringos em território brazuca. Abaixo as perguntas dela e as minhas respostas:

– Primeiro, me conta um pouco sobre você! Quando começou a se envolver com a música e a criar conteúdos no Scream & Yell?
O Scream & Yell nasce como fanzine em papel em dezembro de 1996. Foram seis edições impressas, mais alguns informativos rápidos. A versão Web nasce em novembro de 2000 e seguimos em frente, resistindo, desde então. São 19 anos de cultura pop.

– Há anos você trabalha cobrindo a cena de música no Brasil. Qual foi o maior show gringo de rock que você assistiu aqui por aqui? Por que este show te marcou? Conta mais sobre a experiência.
Sinceramente, não consigo elencar um show só! (risos). É muito show! Dai eu fiz uma listinha com 10 dos anos 2000! Daria pra fazer uma outra só com shows do século passado, mas tem tanta coisa boa que já passou por aqui neste século, e a gente não lembra. Dai esses 10, por ordem alfabética, são alguns dos meus favoritos. E todos eles foram shows absolutos, impecáveis! Todos me emocionaram seja pelas canções, seja pelo clima, pois costumo dizer que um show aqui é muito melhor do que assistir ao mesmo show na gringa porque aqui você está acompanhado de seus amigos, tem um sentimento diferente.

Brian Wilson no Tim Festival, São Paulo, 2004
Bruce Springsteen no Espaço das Américas, São Paulo, 2013
Elvis Costello no Tom Brasil, São Paulo, 2005
Neil Young & Crazy Horse, Rock in Rio, 2001
Pearl Jam no Pacaembu, São Paulo, 2005
R.E.M. no Rock in Rio, 2001
Radiohead em São Paulo, 2009
Sonic Youth no Free Jazz, São Paulo, 2000
Weezer no Curitiba Rock Festival, 2005
Wilco no Auditório Ibirapuera, 2016

– O show do Alice Cooper no Brasil, que aconteceu em 1974, foi um marco histórico na história do rock do Brasil. Acha que ele foi um divisor de águas e abriu caminho para os megashows que vieram nos anos seguinte?
Não acho que foi um divisor porque o mercado não se abriu como esperava – isso só foi acontecer com o Rock in Rio, em 1985. Mas é um show absolutamente histórico exatamente por isso: hoje é fácil, mas tinha que ter muito culhão para vir tocar no Brasil nos anos 70, investir no país.

– Você conhece alguém que esteve presente neste show?
Algum amigo já comentou comigo desse show, mas não lembro quem!

– Décadas atrás, as pessoas precisavam esperar anos para poder conferir um show de um artista gringo. Hoje em dia, isso se tornou algo comum, com shows acontecendo com bastante frequência, mas atraindo um público menor. Pra você, qual é a maior mudança entre aquela época e os dias atuais?
O mercado brasileiro de shows evoluiu, e isso foi uma conquista pós Rock in Rio 1, de 1985, que mostrou para o show business internacional que era possível investir no Brasil. De lá para cá, essa confiança só foi aumentando ao mesmo tempo que diversos produtores e artistas descobriram que o Brasil é um país importante na estratégia de marketing da música, é um mercado enorme com muito potencial. E isso possibilitou a abertura de casas pequenas com boa estrutura. Se antes só vinha artista para tocar em estádio, agora vários lugares menores recebem grandes artistas. Ou seja, agora há espaço para artistas de diversos tamanhos, o que se adequa a todo tipo de produtor e público. Quanto ao público menor, creio também que há o peso do preço do ticket, pois pagamos alguns dos ingressos mais caros do mundo para ver show, e nem todo mundo tem dinheiro para ver mais de um show. Se o ingresso fosse mais barato, muito mais gente veria show.

Veja outras entrevistas aqui

maio 3, 2019   No Comments

Top 10: Abril 2019 no Scream & Yell

TOP 10 TEXTOS MAIS LIDOS – ABRIL DE 2019
01) Lollapalooza Brasil 2019, por Renan Guerra (aqui)
02) Entrevista: Letrux, por Pedro João (aqui)
03) Três discos: Francisco El Hombre, André Prando e Baleia, por Leo Vinhas (aqui)
04) Entrevista: Rumbora, por Bruno Lisboa (aqui)
05) Fafá de Belém ao vivo, por Renan Guerra (aqui)
06) Rodrigo Amarante ao vivo, por Bruno Dias (aqui)
07) “The Dirt”,a história do Mötley Crüe, por Paulo Pontes (aqui)
08) Lupe de Lupe e Cloud Nothings, por Bruno Capelas (aqui)
09) Entrevista: Jain, por Pedro João (aqui)
10) Entrevista: Autoramas, por Janaína Azevedo (aqui)

DOWNLOAD
01) Selo Scream & Yell: “Dois Lados”, tributo ao Skank -> 17º link (aqui)
02) Selo Scream & Yell: Tributo a Belchior -> 33º link (aqui)
03) Selo Scream & Yell: Tributo a Milton Nascimento -> 50º link (aqui)

VIA GOOGLE
01) Entrevista: Duda Beat, por Renan Guerra (aqui)
02) Liam Gallagher x Noel Gallagher, por Herbert Moura (aqui)
03) Discografia comentada: Paul McCartney, por Wilsera (aqui)

O EDITOR RECOMENDA
01) Entrevista: Vitor Pirralho, por Ananda Zambi (aqui)
02) Entrevista: Birds are Indie, por Pedro Salgado (aqui)
03) Balanço: Festival Garotas à Frente 2019, por Carime Elmor (aqui)

TOP 10 2019 – (Primeiro Trimestre)
01) Melhores de 2018: Top 7 Scream & Yell  (aqui)
02) Entrevista: Duda Beat, por Renan Guerra (aqui)
03) Como foi o Psicodália 2019, por Rafael Donadio (aqui)
04) Lollapalooza Brasil 2019, por Renan Guerra (aqui)
05) A ironia preguiçosa do Weezer, por Leo Vinhas (aqui)
06) Entrevista: Bernardo Vilhena, por Bruno Capelas (aqui)
07) Selo Scream & Yell: “Dois Lados”, tributo ao Skank (aqui)
08) O cinquentenário de Flávio Basso, por Leo Vinhas (aqui)
09) Discografia comentada: Paul McCartney, por Wilsera (aqui)
10) 11 points de cerveja artesanal em Buenos Aires, por Mac (aqui)

Confira os textos mais lidos no Scream & Yell nos meses anteriores

maio 2, 2019   No Comments