Random header image... Refresh for more!

Category — Música

“The Opposite of Hallelujah”, Jens Lekman

Certa vez escrevi no Scream & Yell: “Ele é sueco, tem jeito de galã e ostenta um ar de canalha embebido em tristeza que casa a perfeição com suas canções que narram romances de uma forma tão cool que chegam a emocionar. “Night Falls Over Kortedala” é seu segundo álbum (descontando uma coletânea de singles) e traz histórias do bairro que Jens vive em Gotemburgo. A simplicidade e a ironia dão o tom e destacam pérolas pop como “The Opposite of Hallelujah”, “A Postcar To Nina” e “Kanske Ar Jag Kar I Dig” (com sampler de Jorge Ben). Para ouvir e rir do amor”. Isso foi em 2007 e minha canção favorita de Jens Lekman, desde que a baixei em 2004 do site da Secretly Canadian, era justamente “Opposite”, que foi finalmente registrada em álbum em “Night”, e só existia até então fisicamente neste belo single de 2004, que cruzei na Sensorial Discos umas semanas atrás… <3

setembro 19, 2019   No Comments

Liefmans Goudenban e Burt Bacharah

Da Bélgica, a elegante Liefmans Goudenband versão 2018, uma Flanders Oud Bruin fermentada em cubas abertas e maturada até 12 meses antes de ser blendada com uma cerveja jovem e continuar refermentando na garrafa. Muita sugestão de fruta (figo, uva passa, damasco), leve caramelo, madeira sutil, discreto avinagrado e 8% de álcool domados. A cervejaria recomenda a guarda por até 10 anos. Uma delícia!

Pruma cerveja elegante, um artista elegante: o box triplo “The Look of Love – The Burt Bacharah Collection” foi lançado em 1998 é uma das maiores reuniões de pepitas de ouro pop por metro quadrado que se tem notícia. De “I Say A Little Prayer” (Dionne Warwick), “This Guy’s Love With You” (Herb Alpert) e “Raindrops Keep Fallin’ On My Head” (B. J. Thomas) a “The Look of Love” (Dusty Springfield), “Close To You” (Carpenters) a “God Give Me Strength” (do próprio com Elvis Costello) são 75 canções para cantar,.dançar e assoviar. Essencial!

setembro 18, 2019   No Comments

Brasil com S 4 e Biquini Cavadão

Mais uma da linha Brasil com S da Cervejaria Colorado, essa é a Summer Ale com Goiaba exibindo um conjunto bastante leve e refrescante, perfeito para esses dias acima dos 30 graus que estamos vivendo. A goiaba não rouba a cena (e olha que numa Summer Ale era difícil não roubar), mas colabora para um conjunto agradável.

Acho até que já comentei no blog que sofro um bullying danado por gostar de Biquíni Cavadão (e algumas outras bandas), mas esse box que reúne os quatro ótimos primeiros discos deste grupo carioca me conforta. Gosto de bastante coisa dos dois primeiros (“No Mundo da Lua”, ‘Inseguro da Vida”, “1/4”, “Tormenta”, “Inocências”, “Ida e Volta”), mas meu favorito é o terceiro, “Zé”, que traz “Teoria”, “Meu Reino”, “Direto Pro Inferno” e “Brincando com Fogo”, entre outras. São três discos que merecem atenção!

setembro 18, 2019   No Comments

Children of Nuggets e 4 Islands

A 4 Islands é uma cigana holandesa, de Roterdã, comandada por três brasileiros, que agora começam a investir no mercado brasileiro. Essa Briói é uma New England IPA produzida na fábrica da Dádiva, no interior de São Paulo, e ainda que não exiba o Juicy característico do estilo, surpreende positivamente.

Acompanhando, “Children of Nuggets: Original Artyfacts from the Second Psychedelic Era, 1976–1995”, que, como o nome avisa, é a continuação do primeiro box focando em nomes como The Cramps, Teenage Fanclub, Primal Scream, ScreamingTrees, The La’s , The Smithereens, The Church, The Posies e muito mais espalhados em quatro CDs e 100 faixas!

setembro 17, 2019   No Comments

Quatro bootlegs do Belle & Sebastian

É uma pena que a qualidade sonora mais fraca de gravação seja o “Live at Free Jazz Festival São Paulo 2001”, mas vale a pena como registro. Adoro o “Live at Bowlie Weekender Festival 1999” não só por sua excelente qualidade sonora, mas por ser dos poucos que traz “Lazy Line Painter Jane” no set; outro de qualidade excelente é o “Black Sessions”, que destaca a cover de “Poupée de Cire, Poupée de Son” (o vídeo completo da sessão deste tradicional programa francês está no final). Fechando, “Merry Christmas, Mr. Peel” é uma session natalina misturada a alguns clássicos da banda.

setembro 17, 2019   No Comments

Oedipus Mannenliefde e Nuggets

De Amsterdam, uma cervejaria que entrou no rol das favoritas aqui de casa recentemente: Oedipus Brewing, com rótulos bem hipsters e cervejas e excelentes. Essa Mannenliefde é uma Belgian Saison com pimenta Szechuan e capim limão num conjunto deliciosamente psicodélico e refrescante.

Já que a gente falou em psicodélico e a música new psicodélica vem tomando de assalto o mundo (Brasil incluso) nos últimos 10 anos, eis uma pedra seminal do estilo: “Nuggets: Original Artyfacts From The First Psychedelic Era 1965/1968″, compilação idealizada por Lenny Kaye (que futuramente seria o grande parceiro musical de Patti Smith e principal escudeiro de sua banda até os dias de hoje) e originalmente lançada em vinil duplo em 1972 com 27 canções de gente como The Seeds, The Mojo Men e, claro, The 13th Floor Elevators”.

Entre 1984 e 1989, a Rhino relançou a série expandindo-a para 15 CDs independentes um do outro e, claro, temáticos. Em 1998, optou se por essa configuração de box quádruplo da foto. No CD 1, as 27 faixas originais que Kaye selecionou em 1972. Nos 3 CDs seguintes mais 91 pérolas de The Sonics a Love, de The Beau Brummers a The Kingsmen. Há um segundo box que expande o olhar para a Inglaterra e o restante do mundo (incluindo Brasil com Mutantes). Essencial.

setembro 16, 2019   No Comments

Dádiva Point of View e Robert Johnson

Colab da cervejaria paulistana Dádiva com a dinamarquesa Amager, essa Point of View é uma incrível American Imperial Stout com… goiabada. Amor define.

No som, Robert Leroy Johnson, um dos músicos mais influentes do blues do Delta do Mississipi. Esse box “The Complete Recordings” (1990) reúne as 29 músicas que o homem gravou entre 1936 e 1937 (e 12 takes alternativos). Está tudo aqui. E é foda. Com toda certeza, Robert Johnson comia goiabada na encruzilhada.

setembro 16, 2019   No Comments

Wäls MadLab Jambu Treme e Terruá Pará

Na taça, Wäls MadLab Jambu Treme, uma Belgian Strong Golden Ale com Jambu, erva típica da região Norte e bastante utilizada na culinária do Pará como condimento amazônico. Ela foi lançada no clube da Wals em junho de 2018, e não impressionou tanto porque o Jambu não está tão marcante como nos pratos paraenses (quem comeu, sabe). Um amo de guarda fez o caramelo dos maltes subir a dosagem e o que tinha de Jambu, desaparecer. Ficou uma Belgian Strong okzinha, mas menos do que a junção prometia.

Essa harmonização era fácil, né. Premiado como projeto do ano da APCA em 2013 (com voto meu), o “Terruá Pará” é um show festival que buscava apresentar o amplo espectro da música paraense. Esse box é da terceira edição, em 2013, mas acompanhei o primeiro em 2006 (foi um dos primeiros dates que tive com a Lili: levei-a ao Auditório Ibirapuera para nos surpreendemos com Dona Onete, La Pupunã e Gaby Amarantos. Outro detalhe sentimental: o inesquecível Carlos Eduardo Miranda foi um dos produtores e incentivadores do Terruá Pará: “Velhinho, tu tem que ver isso em Belém”, ele me disse uma vez. E lá fui eu para o Portal da Amazônia me apaixonar pela música, pela cidade, pelas pessoas. Esse box é dos itens carinhosos da minha coleção e coloco vez em quando para matar saudade do Pará, de Belém e do Miranda.

setembro 16, 2019   No Comments

Top 25 APCA 1º Semestre 2019

Não foi um semestre dos mais fáceis para mim esse meu primeiro semestre como pai em horário comercial (risos), mas fico feliz de ter amigos tão bacanas (Alexandre Matias, José Norberto Flesch e Lucas Breda) na APCA para discutirmos e indicarmos um ao outro os discos que mais nos balançaram no primeiro semestre. Tai a lista final (enquanto já começamos a pré-lista do segundo semestre!)

Alessandra Leão – Macumbas e Catimbós
Ave Sangria – Vendavais
BaianaSystem – O futuro não demora
Black Alien – Abaixo de Zero: Hello Hell
Boogarins – Sombrou dúvida
China – Manual de Sobrevivência Para Dias Mortos
Clima – La Commedia é Finita
Djonga – Ladrão
Dona Onete – Rebujo
Douglas Germano – Esculhamba
Fafá de Belém – Humana
Hamilton de Holanda – Harmonize
Jair Naves – Rente
Jards Macalé – Besta Fera
Jorge Mautner – Não Há Abismo Em Que o Brasil Caiba
Larissa Luz – Trovão
Nômade Orquestra – Vox Populi
O Terno – Atrás / Além
Odair José – Hibernar na Casa das Moças Ouvindo Rádio
Pitty – Matriz
Rakta – Falha Comum
Tássia Reis – Próspera
Thiago Pethit – Mal dos Trópicos
Tiago Iorc – Reconstrução
YMA – Par de Olhos

agosto 16, 2019   No Comments

O assunto é… Alice Cooper

Bem, não sou um especialista em Alice Cooper. Tenho o “School’s Out” (1972) em CD e o “Muscle of Love” (1973) em vinil, mas a editora do site da Red Bull, a Luana Dornelas, me mandou umas perguntas para comentar a efeméride dos 45 anos do show que Alice Cooper fez nesta terra arrasada chamada Brasil em 1974. O resultado ficou bem bacana (confira aqui) e eu ainda pude colocar umas listinha top 10 de shows gringos em território brazuca. Abaixo as perguntas dela e as minhas respostas:

– Primeiro, me conta um pouco sobre você! Quando começou a se envolver com a música e a criar conteúdos no Scream & Yell?
O Scream & Yell nasce como fanzine em papel em dezembro de 1996. Foram seis edições impressas, mais alguns informativos rápidos. A versão Web nasce em novembro de 2000 e seguimos em frente, resistindo, desde então. São 19 anos de cultura pop.

– Há anos você trabalha cobrindo a cena de música no Brasil. Qual foi o maior show gringo de rock que você assistiu aqui por aqui? Por que este show te marcou? Conta mais sobre a experiência.
Sinceramente, não consigo elencar um show só! (risos). É muito show! Dai eu fiz uma listinha com 10 dos anos 2000! Daria pra fazer uma outra só com shows do século passado, mas tem tanta coisa boa que já passou por aqui neste século, e a gente não lembra. Dai esses 10, por ordem alfabética, são alguns dos meus favoritos. E todos eles foram shows absolutos, impecáveis! Todos me emocionaram seja pelas canções, seja pelo clima, pois costumo dizer que um show aqui é muito melhor do que assistir ao mesmo show na gringa porque aqui você está acompanhado de seus amigos, tem um sentimento diferente.

Brian Wilson no Tim Festival, São Paulo, 2004
Bruce Springsteen no Espaço das Américas, São Paulo, 2013
Elvis Costello no Tom Brasil, São Paulo, 2005
Neil Young & Crazy Horse, Rock in Rio, 2001
Pearl Jam no Pacaembu, São Paulo, 2005
R.E.M. no Rock in Rio, 2001
Radiohead em São Paulo, 2009
Sonic Youth no Free Jazz, São Paulo, 2000
Weezer no Curitiba Rock Festival, 2005
Wilco no Auditório Ibirapuera, 2016

– O show do Alice Cooper no Brasil, que aconteceu em 1974, foi um marco histórico na história do rock do Brasil. Acha que ele foi um divisor de águas e abriu caminho para os megashows que vieram nos anos seguinte?
Não acho que foi um divisor porque o mercado não se abriu como esperava – isso só foi acontecer com o Rock in Rio, em 1985. Mas é um show absolutamente histórico exatamente por isso: hoje é fácil, mas tinha que ter muito culhão para vir tocar no Brasil nos anos 70, investir no país.

– Você conhece alguém que esteve presente neste show?
Algum amigo já comentou comigo desse show, mas não lembro quem!

– Décadas atrás, as pessoas precisavam esperar anos para poder conferir um show de um artista gringo. Hoje em dia, isso se tornou algo comum, com shows acontecendo com bastante frequência, mas atraindo um público menor. Pra você, qual é a maior mudança entre aquela época e os dias atuais?
O mercado brasileiro de shows evoluiu, e isso foi uma conquista pós Rock in Rio 1, de 1985, que mostrou para o show business internacional que era possível investir no Brasil. De lá para cá, essa confiança só foi aumentando ao mesmo tempo que diversos produtores e artistas descobriram que o Brasil é um país importante na estratégia de marketing da música, é um mercado enorme com muito potencial. E isso possibilitou a abertura de casas pequenas com boa estrutura. Se antes só vinha artista para tocar em estádio, agora vários lugares menores recebem grandes artistas. Ou seja, agora há espaço para artistas de diversos tamanhos, o que se adequa a todo tipo de produtor e público. Quanto ao público menor, creio também que há o peso do preço do ticket, pois pagamos alguns dos ingressos mais caros do mundo para ver show, e nem todo mundo tem dinheiro para ver mais de um show. Se o ingresso fosse mais barato, muito mais gente veria show.

Veja outras entrevistas aqui

maio 3, 2019   No Comments