Random header image... Refresh for more!

Barcelona: Richard Hawley no Arco do Triunfo

richard2.jpg

Texto e fotos: Marcelo Costa

Após quatro dias de festival (o primeiro no Arco de Triunfo e os três seguintes no Parc del Fórum), o Primavera Sound encerrou sua edição 2012 em um domingo de chuva na capital catalã. A programação gratuita previa shows de Veronica Falls no Parc de la Ciutadella e cinco apresentações no Arco do Triunfo, mas a chuva marcou presença atrapalhando a festa de Joe Crepúsculo e Nacho Vegas. Alguns fãs ainda marcaram presença para ver Yann Tiersen, e só quando Richard Hawley adentrou o palco é que São Pedro fechou a torneira.

richard.jpg

“Vou ter de tocar sentado. Quebrei minha perna”, desculpou-se Hawley. Apesar do incomodo, a apresentação foi correta alternando momentos de psicodelia com outros de puro lirismo. O repertório privilegiou o recém-lançado “Standing at the Sky’s Edge” (incluindo cinco canções do álbum no curto setlist de 10 músicas – nenhuma de “Lowedges”, o belo álbum de 2003 lançado no Brasil), e o público respondeu bem aplaudindo e acompanhando o guitarrista, um homem de uma carreira solo que merece ser acompanhada com calma.

thecure1.jpg

Ainda tinha shows e DJ sets de King of Convenience e Black Lips na Sala Apolo, mas o Primavera Sound já tinha cumprido com louvor sua promessa de distribuir boa música. O destaque principal foi a qualidade do line-up mais variado de sua história, com os parceiros curadores Vice, ATP e Pitchfork apostando na radicalização do black metal, grindcore e indie: o Primavera talvez seja o melhor festival do mundo no que diz respeito a alcance de público: na mesma hora, por exemplo, The XX e Napalm Death se apresentavam em palcos diferentes.

kings.jpg

Essa variedade no line-up surpreendeu muita gente. Quem esperava ver Mayhem, uma banda de black metal norueguesa que toca com cabeças de porco no palco servindo como castiçal de velas, tocando num palco no mesmo horário em que Robert Smith enfileirava hits do The Cure no palco principal? Quem não se interessava por nenhum dos dois poderia ir ver Wavves ou escolher entre esperar M83, The Drums e/ou SBTRKT. No mesmo dia se apresentaram Rufus Wainwright, Girls, Laura Marling, Napalm Death, Jeff Mangum e Marianne Faithful. Palmas para quem organizou tudo isso. Ano que vem tem mais.

http://screamyell.com.br/blog/wp-admin/upload.php?style=inline&tab=browse&post_id=6421&_wpnonce=80d1cd77d1&ID&action&paged

Leia também:
– Tudo sobre o Primavera Sound 2012 (aqui)
– Tudo sobre o Primavera Sound 2011 (aqui)
– Tudo sobre o Primavera Sound 2010 (aqui)

junho 3, 2012   No Comments

Barcelona: Primavera Sound, Dia 3

primavera12.jpg

Texto e fotos por Marcelo Costa

O mais indie (e não só por isso) e mais fraco dia do Primavera Sound 2012 guardou surpresas especiais no Parc del Fórum, em Barcelona. Se a escalação do palco principal parecia a seleção de bandas preferidas daquele seu amigo farofa (e ele até ousou abrindo o dia com Sharon Van Etten), os palcos secundários traziam boas apostas que valiam uma caminhada – e caminhada em terceiro dia de festival equivale ao triplo do risco e do cansaço do primeiro.

primavera22.jpg

Father John Misty abria a programação no auditório às 16h do domingo, mas o bairro de Barceloneta estava tão sedutor com sua paella, seu bife de ternera, as patatas bravas, a sangria, a praia incrivelmente azul e o top less que optamos por perder não só o ex-Fleet Foxes como também Sharon Van Etten, mas ela ainda faria um showzinho acústico concorrido mais à noite no palco Ray-Ban Unplugged (um pouco maior que um caixa de sapatos).

primavera31.jpg

Após um almoço caprichado e sol na moleira, a providencial fila do auditório (que permitia uns cochilos) para conferir a segunda apresentação de Jeff Mangum no Primavera Sound 2012. Munido de uma voz enternecedora e uma batida de violão crua, o ex-Neutral Milk Hotel sentou sozinho no centro do palco do auditório e ofertou: “Vocês podem vir um pouco mais para frente se quiserem”. Resultado: dezenas de fãs assistindo ao show aos pés do herói.

jeff1.jpg

Tudo ali na beira do palco tinha jeitão de momento histórico. Um repertório clássico baseado no álbum mítico “In the Aeroplane Over the Sea”, o intimismo da proximidade ao ídolo (mesmo em um teatro sold out com três mil pessoas), a interpretação entregue de números como “Two-Headed Boy Part 1 and 2”, “Song Against Sex”, “The King of Carrot Flowers”, “Holland, 1945”, “Little Birds” e “Oh Comely”: eis um show encantador em sua simplicidade.

pizza.jpg

Após Jeff Mangum, tudo foi acaso. A primeira ideia (diante de tantos shows perdíveis) era fazer um review completo da praça de alimentação do festival, mas as opções eram muitas indo de peritos calientes safados, texmex que engana bem, boa comida tailandesa, pizza em quatro sabores (e todos com o mesmo gosto), hambúrguer de respeito, milho “brasilian style”, pasta de caixinha, sorvete de iogurte, salsichas alemãs e… os campeões churros de chocolate.

churros.jpg

Enquanto isso, Girl Names mostrava no palco da revista Vice que o revival dos anos 80 permanece: o som é The Cure, a voz é Morrissey. Passo. Ao lado, no palco Pitchfork, Bradford James Cox (o Atlas Sound) sofria com o som ruim. Do outro lado da Espanha, no palco Mini, o Beach House carregava um mar de pessoas confirmando o status de bola da vez (desde de… quando mesmo?). Som sensual, mina gata perdida entre luzes cinzas e brancas, baita deja vu.

shellac.jpg

No palco ATP, o Shellac, comandado por um possuído Steve Albini, distribuía doses generosas de honestidade rock and roll dispensando clichês. Pouco depois, Sharonzinha derretia corações na caixa de sapatos lotada do Ray-Ban Unplugged com a presença na plateia de Pat Samsone, do Wilco, e Mike Mills, do R.E.M., que tirou uma com a minha cara quando troquei de câmera para uma foto com Paulo Terron e Rodrigo Levino: “Ele é (fotógrafo) profissional – sic”. O registro tosco você vê abaixo.

mike.jpg

Ainda deu tempo de conferir metade do show impressionante do Weeknd, no palco do site Pitchfork, que novamente foi marcado por problemas de som e luz (que chegaram a interromper a apresentação), mas não conseguiu diminuir a intensa performance do grupo, com o canadense Abel Tesfaye merecendo com honras o título de novo Michael Jackson: que voz, que falsete, que cantor. Uma carreira para acompanhar com muita atenção.

weeknd.jpg

A vontade de ver mais uma vez o Yo La Tengo era enorme, mas o cansaço e a vontade de fugir da farofeira do Justice foram mais fortes. Taxi da Diagonal Mar para a Calle Sicilia, algumas Chimay na mesa (a trapista aqui é vendida no supermercado por… R$ 4) e a certeza de que o Primavera Sound continua sendo um dos festivais mais bacanas do planeta. Por tudo que o cerca: os shows, o entretenimento, a organização e, claro, a cidade encantadora que o abriga.

sharon.jpg

O festival ainda não acabou. Neste domingo ainda há apresentações gratuitas no Parc de La Ciutadella (vontade de ver Veronica Falls), no Arco do Triunfo (baterei ponto em Yann Tirsen e Richard Hawley) e na Sala Apolo (que receberá Black Lips na Festa de Encerramento). Nesta segunda, voo madrugadeiro para Paris , onde na terça tenho encontro marcado com… Axl Rose. Torcendo para que o atraso não ultrapasse a marca de 15 minutos…

placa.jpg

Leia também:
– Tudo sobre o Primavera Sound 2012 (aqui)
– Tudo sobre o Primavera Sound 2011 (aqui)
– Tudo sobre o Primavera Sound 2010 (aqui)

junho 3, 2012   No Comments

Noruega: o viking e o louco

noruega1.jpg

Fotos e texto por Renato Moikano (@renato_moikano)

Minha viagem para de Bruxelas para Oslo aconteceu na manhã de terça, 29/05. Ou seja, horas depois do Werchter Boutique com Metallica, Soundgarden, etc. Quando venci a falta de bilhetes de trem e consegui burlar a segurança ferroviária e me esconder no último vagão de Leuven para Bruxelas acreditava piamente que dali pra frente seria só alegria. Ledo engano…

Ao chegar no hotel fui checar e-mails e me deparei com um especialmente assustador: Mads, o norueguês dono do barco que me receberia como hospede em sua nave durante meus dois dias em Bergen (litoral oeste da Noruega) dizia que o barco havia sofrido um acidente. Estava afundando. Mads tentou realocar os hospedes em albergues e hospedarias da cidade. Mas não coube todo mundo. Passou então a descolar quartos em hotéis da região.

noruega2.jpg

Minha agenda em Bergen era apertada. Chegaria na cidade por volta das 15h, poucas horas depois tinha o Bergen Calling Festival com shows do Black Label Society e de Ozzy Osbourne com Zakk Wylde e Slash. Na quarta, logo cedo, faria uma daytrip pelos fiordes da região, e à noite tinha um show de Suzanne Vega (sim, eu sei que esse é o S&Y Metal Edition… peço desculpas pelo deslize), e na quinta cedinho voo pra Barcelona para encarar o primeiro dia do Primavera Sound.

Quase desesperado, respondi o e-mail pedindo uma ajuda para descolar algum canto para ficar em Bergen. Ficar em outra cidade era inviável para minha agenda. Fui dormir não mais do que umas três horas de sono antes de encarar o voo para Oslo (e depois Bergen). Quando acordei, Mads me respondera: “Me procure no barco, vamos dar um jeito…”

noruega31.jpg

Ultra organizado que sou (odeio dar muito espaço para o acaso), estava estranhamente tranquilo. Na pior das hipóteses dormiria no aeroporto. Mas algo dizia que tudo daria certo. E deu. Chegando a Bergen fui procurar Mads. O norueguês me disse que tinha descolado um canto pra mim no barco de um amigo, e me passou o endereço.

Bergen é a segunda maior cidade da Noruega (atrás da capital Oslo). Sua economia gira principalmente em torno do turismo. No verão é porta de entrada para os fiordes; no inverno é sede das principais estações de esqui da região. Por isso, achar o barco de Sven, o amigo de Mads foi fácil. A única diferença é que o barco de Mads ficava na zona turística, o de Sven ficava na zona portuária.

noruega4.jpg

Pode até ser que noruegueses sejam frios e tudo o mais que a gente pensa de povos europeus. Os que conheci, nesse caso, eram os equivalentes aos cariocas da Noruega: animados, receptivos, curiosos e beberrões. Sven tem um pequeno barco de transporte de carga e pessoas. Na tripulação apenas ele e seu imediato: um italiano baixinho e falastrão (pleonasmo?) chamado Daniele. Os dois me receberam com festa e me acomodaram numa pequena cabine: uma cama justa e uma janelinha. Para mim, que cogitava dormir no aeroporto, parecia o Hilton. Apresentações feitas, pedi desculpas pela pressa, e zarpei para o show.

O Bergen Calling é mais uma grife que um festival. Só neste ano, por exemplo, vão acontecer pelo menos umas três edições. Numa delas toca Lenny Kravitz, na outra, Slayer, Sting… e por aí vai. Na que fui tocaria Black Sabbath. A doença de Tony Iommi e o posterior cancelamento da maioria das datas fez com que o show fosse alterado para Ozzy & Friends. Assim, o madman do metal receberia no palco Slash e Zakk Wylde. Além disso, a banda deste último, Black Label Society, faria abertura.

noruega5.jpg

O Bergen Calling acontece sempre às margens do Mar do Norte, em plena zona turística. A caminha da zona residencial para os arredores do show durou uns15 minutos e me fez chegar a pensar que estava indo na direção errada. Nas ruas nenhum sinal de movimentação de cabeludos, camisetas pretas e tudo o mais que indica a presença de um show de metal. Apenas a menos de 1 km do local (e com ajuda do Google Maps) percebi que estava indo na direção certa: um grupo de velhões com coletes de clubes motociclistas aparentava ir na mesma direção que eu.

Perguntei para um deles onde seria a entrada para o show, e o Hell Angel wannabe me indicou uma calçada para seguir. Nela percebi certa movimentação e me aproximei. Agora sim parecia um show. A procissão metaleira seguia em ordem e silêncio para a entrada. E a calçada era respeitada: nada de policiais, fitas de contenção, chiqueirinhos de metal. O público simplesmente respeitava o limite da calçada e ninguém andava pela rua.

noruega6.jpg

Outro exemplo? O ingresso diz “proibido fotografar os show”. Resultado? Ninguém saca sequer o celular para um registro do palco. Na Noruega é assim: se a regra está lá, deve haver um bom motivo para ela e ninguém vai tentar burlar (até por isso todas as fotos deste post são da cidade – a do Ozzy é de um jornal local). Mesma coisa com bebidas. Cerveja e vinho são vendidos no show (no caso uma chamada Hansa: um mijo de alce horrível com graduação alcóolica de 2,4%), mas a segurança fica em cima, e se perceberem que você está alto, parceiro, é rua.

Não estou dizendo bêbado a ponto de vomitar no decote da mulher do delegado. Um sujeito na minha frente estava calmo, sem incomodar ninguém, apenas aparentava uma suave dificuldade no equilíbrio. Não teve nem apelo. Dois seguranças apareceram e escoltaram o rapaz para fora da arena.

noruega7.jpg

Meu ingresso dava direito ao chamado Golden Circle, a área vip deles (desculpem os puristas, mas eu não iria até a Noruega pra tentar ver um show atrás de um paredão de 15 mil descendentes de vikings com 2 metros de altura cada). Na entrada apenas uma breve revista e a indicação de onde deveria pegar a pulseira para o tal circulo de ouro. Esse não ocupava toda frente do palco, apenas a metade esquerda.

Eram quase 20h e o sol estava forte. Sem atrasar um minuto sequer, às 20h, o Black Label Society apareceu no palco com seu mentor e vocalista Zakk Wylde de cocar de índio. Apresentação curta e eficiente, o Black Label Society mostra a cada dia que é realmente um projeto de Wylde. Ele é o foco do show, e seu estilo vocal mostra que o cara aprendeu tudo o que precisava saber com Ozzy. Podem até dizer que ele emula e imita seu mentor. Mas, para alguém que não sabia sequer falar sem desafinar, é uma evolução e tanto…

ozzy.jpg

Sem muita demora, Ozzy Osbourne ganhou o palco com Gus G. (guitara), Rob “Blasko” Nicholson (baixo) e o batera Tommy Clufetos. A primeira parte do show correu com “Bark at the Moon”, “Mr. Crowley”, “Suicide Solution”, ”I Don’t Know”, “Killer of Giants”, “Shot in the Dark” e “Rat Salad” (do Black Sabbath). Foi a deixa para Ozzy convidar Slash e Geezer Butler para a sequência de “Iron Man”, “War Pigs” e “N.I.B”.

Em seguida, sai Slash e entra Wylde, para mais dois sons do Sabbath: “Fairies Wear Boots” e “Into the Void”. O barbudão, e aprendiz ficou no palco para matar a saudade do repertório de Ozzy (que cada vez mais parece o Cauby Peixoto do metal). Mandaram “I Don’t Want to Change the World”, “Crazy Train” e “Mama, I’m Coming Home”.

Na última música, a óbvia ausência até então do repertório, “Paranoid”, ganhou versão com todos os convidados no palco. No retorno ao barco do Sven, ainda com sol brilhando em Bergen, um pouquinho de desordem: doze “rebeldes” desafiavam o status quo e andavam pelo meio fio. Graças a Deus: já começava a me perguntar se metaleiros noruegueses eram de fato humanos.

noruega8.jpg

junho 3, 2012   No Comments