Random header image... Refresh for more!

Em Estocolmo: Abba Caviar

Você olha na gôndola do supermercado e pensa: “Olha os caras usando o nome da banda”. E, quando vai pesquisar, descobre que é exatamente o contrário: “O nome (da empresa de produtos de conserva de peixe) AB Bröderna Ameln, ABBA, foi registrado em 1906. Eles são conhecidos por ter deixado o grupo ABBA compartilhar o nome em 1974″. 😀

Ps. No supermercado, esse pote de 80 gramas do Abba Caviar (em grãos) custa kr 23,90 (aproximadamente R$ 8).
Ps 2. Eu não gosto…

agosto 2, 2014   No Comments

Nos Systembolagets de Estocolmo

systembiolaget1.jpg

Criado em 1955 na Suécia, o Systembolaget é uma empresa controlada pelo Governo, a única autorizada a vender bebidas com teor alcoólico superior a 3,5% (bares, pubs e restaurantes também são liberados, mas apenas para consumo no local, não para o comprador levar para casa). São 426 lojas na Suécia, e, segundo o site oficial, “os funcionários são especialistas em comida e bebida” além de que, nas lojas, o trabalho de marcas (e promoções) inexiste.

O interessante do conceito de Systembolaget é que, segundo o site oficial, a ideia da empresa é “vender bebidas alcoólicas de maneira consciente, sem fins lucrativos”. Ou seja, de forma antagônica, com o Governo não lucrando um centavo que seja (hipoteticamente) sobre a venda de bebidas alcoólicas, as mesmas tendem a chegar mais em conta ao consumidor final (apesar dos ditos impostos elevados aos produtores).

O que pude perceber nos quatro Systembolaget que visitei em Estocolmo foi que os preços são tabelados, mas o estoque é particular de cada loja. As cervejas básicas (belgas, inglesas e algumas americanas) são encontradas praticamente em todas as lojas assim como um número elogiável de rótulos locais. Porém, na loja mais afastada da área central, em Hammarby, onde estamos hospedados, encontrei mais itens raros do que nas lojas centrais.

Ainda assim, numa das lojas centrais encontrei boa parte da linha da Monks Café (não a Number 5, o Chanel da casa, nona melhor cerveja sueca do Top 50 do Ratebeer – acabei pegando a no.2, a no.4 e a no.14), e no maior (e mais completo) Systembolaget que visitei, no número 44 da Regeringsgatan, havia mais Monks tanto quanto edições especiais de algumas cervejarias, como a Brooklyn Wild Streak, envelhecida em barril de Bourbon.

electric.jpg

Na primeira visita optei apenas por comprar cervejas suecas visando me aprofundar no mercado “local”. Da pré-lista com 10 rótulos que eu havia feito no Brasil, encontrei apenas a Oppigårds Thurbo Double IPA (12ª na lista do Ratebeer), mas peguei (sob recomendação da vendedora, que reforçou que os suecos “preferem cervejas amargas”) uma Electric Nurse DIPA (38ª) e duas outras Oppigårds: Amarillo (21ª) e Indian Tribute (48ª).

No segundo passeio (em que passei por três Systembolaget centrais e próximos um do outro) busquei as suecas da lista, mas acabei me rendendo as Del Ducato (minha cervejaria italiana preferida) e a tal Brooklyn Wild Streak, que eu havia devolvido na gondola, mas alguém desistiu da compra deixando uma ao lado do caixa, e não resisti. Junto a Brooklyn 1/2 Ale (falei dela aqui), a mala já soma 16 garrafas… e é só o primeiro trecho da viagem.

Uma questão: como consegue um dos países mais caros do mundo, em que o transporte público custa R$ 11 (o passe único vale por 1h15m), vender cervejas a um preço menor do que o Brasil? A italiana La Luna Rossa, que encontrei em Estocolmo por R$ 25, chegou a ser vendida entre R$ 75 e R$ 90 em São Paulo. A Brooklyn Wild Streak custa quase R$ 170 na capital paulista (R$ 50 na capital sueca). Será só imposto que encarece a cerveja no Brasil?

Abaixo segue a lista das 15 cervejas que comprei em Estocolmo (até o momento), com os devidos preços e a triste conclusão: em São Paulo, com o mesmo dinheiro que gastei em Estocolmo, eu provavelmente compraria apenas a Wild Streak e a La Luna Rossa…

opiigardis1.jpg

– Sigtuna & Shepherd Neame Barley Wine: kr 71 (R$ 24)
– Oppigårds Thurbo Double IPA: kr 26,30 (R$ 8,70)
– Oppigårds Indian Tribute: kr 22,50 (R$ 7,50)
– Oppigårds Amarillo: kr 19,90 (R$ 6,50)
– Electric Nurse DIPA: kr 29,90 (R$ 10)
– Södra IPA: kr 23,30 (R$ 7,70)
– S:t Eriks Rauchbier: kr 24,20 (R$ 8 )

cervejas1.jpg

– Birrificio del Ducato La Luna Rossa: kr 73,90 (R$ 25)
– Birrificio del Ducato Wedding Rauch: kr 32 (R$ 11)
– Monks Café Blend no.2 Superior Sour: kr 69,40 (R$ 23)
– Monks Café Blend no.4 Vigorous: kr 69,40 (R$ 23)
– Monks Café Blend no.14 Bavarian Hero: kr 38,90 (R$ 13)
– Omnipollo Mazarin: kr 32,90 (R$ 11,20)
– Omnipollo Leon: kr 49,90 (R$ 16,50)
– Brooklyn Wild Streak: kr 149 (R$ 50)

laluna.jpg

 Ps. A apresentação das cervejas é padronizada em todas as Systembolagets. “Beska” significa amargor;  “Fyllighet” é corpo e “Sötma”, doçura. Além existem as figuras que simbolizam o que combina com determinada cerveja. No caso da Electric Nurse DIPA, ela combina com carne de ovelha, vaca e porco (além de ser uma ótima bebida social). Já a Del Ducato La Nuna Rossa combina com pato e porco, e é também é uma boa bebida social. 

Europa 2014: Diário de Viagem

agosto 2, 2014   No Comments