Random header image... Refresh for more!

Category — Europa 2013

Norwegian Wood Festival 2013, Oslo

norwegian1.jpg

A vantagem de ir a um festival pequeno em um país sem tradição em festivais é que, facilmente, você vê a banda que você mais ama no mundo colado na grade, sem ninguém, absolutamente ninguém, enchendo o saco. É você, seu ídolo e a música (se o som não atrapalhar). A desvantagem é que essa falta de interesse do público local não faz com que a banda que você ama se entregue, assim aquela apresentação que você esperava ser sensacional corre o risco de ser apenas boa.

no2.jpg

Foi mais isso que aconteceu com Manic Street Preachers e My Bloody Valentine no terceiro dia do minúsculo Norwegian Wood, em Oslo, festival que completa 21 anos de existência em 2013. Com uma estrutura preparada para atender cerca de 5 mil pessoas, o Norwegian Wood não recebeu nem um terço desse povo. A cidade, provavelmente, gira em torno do sol, um concorrente sério nesses dias raramente quentes da Noruega, e o festival é só mais um evento de verão a ocupar o calendário.

no3.jpg

E é um evento feito por e para noruegueses. Com exceção de uma ou outra barraca (duas de todo o festival até onde pudemos averiguar) que aceitam cartão internacional, da entrada na hora de comprar o ingresso até o balcão do bar, do merchandising, da barraquinha de hambúrguer de alce, todos só aceitam cartões noruegueses. “Às vezes nem cartão norueguês”, diz a atendente na entrada, correndo o risco de espantar estrangeiros que gostariam de adentrar ao festival que acontece na piscina pública do parque Vigeland.

no4.jpg

O preço do ingresso não colabora para o turista: são 750 krones, aproximadamente R$ 280 por dia. Se multiplicarmos pelos quatro dias do festival temos um montante de R$ 1120, o que aproxima o minúsculo Norwegian Wood Festival (que é feito com ajuda do Fundo de Cultura da Noruega) de mega-festivais brasileiros como o Lollapalooza, com a diferença que a renda per capita norueguesa é bem maior que a nossa, e transforme R$ 280 em uma pechincha para os padrões locais, e um atentado ao bolso do fã de música brasileiro.

no5.jpg

Ainda assim, surpreende ver bandas como Manic Street Preachers, My Bloody Valentine, Keane, Band of Horses, Rod Stewart e Nick Cave se apresentando para plateias tão diminutas, que não estão aqui para ver o show da vida delas, mas sim para curtir o astro rei, beber uma cervejinha, comer hambúrguer de alce e, claro, ouvir música (nessa ordem). É um alento para fanáticos brasileiros por festivais conseguir assistir a um show prestando atenção à música, e não a conversa ao lado ou com o cotovelo da pessoa que está logo à frente.

no7.jpg

Foi nesse cenário que o Manics enfrentou muitos problemas no som, a ponto de James Dean Bradfield ter que “cantar” o solo de “Motorcycle Emptiness”, já que o som de sua guitarra tinha ido pro brejo (a Gibson creme, aliás, foi parar nas mãos de um fã, na grade, ao fim da apresentação). Ainda assim é impossível dizer que um show com “Ocean Spray”, “Everything Must Go”, “A Design For Life”, “You Love Us”, “You Stole the Sun From My Heart”, “The Everlasting” em versão acústica e “If You Tolerate This Your Children Will Be Next” no encerramento, seja ruim. Foi legalzim, bonito, mas curto demais. Uma hora (contando os contratempos) e bye bye. Só atiçou a vontade de vê-los novamente, de preferência na Inglaterra.

no8.jpg

Já o My Bloody Valentine repetiu tin tin por tin tin o set list que vem tocando por ai. A banda é uma briguinha de menino e menina. O menino diz “eu vou tocar guitarra”. A menina diz “eu vou cantar”. O menino responde: “Pode cantar, mas eu vou tocar tão alto que ninguém vai te ouvir”. E a vida “psico-romântica” segue. É um showzinho meio indecente (desculpe a franqueza, dezena de amigos fãs), mas diverte principalmente porque é alto pra dedeu, e ver pessoas incomodadas com a altura do volume que sai das caixas me agrada.

no9.jpg

Ainda assim é tudo preguiçoso, desengonçado e até bobo demais. Velvet Underground, o pai deles, tinha um propósito. Kevin Shields só tem uma paredezinha de amplis, e os usa no limite, mas é muito pouco. Diverte, distrai e incomoda alguns ouvidos, mas não sustenta a alma. Semana que vem tem Swans ao vivo no Best Kept Secret, festival na Holanda. Dai a coisa muda de figura e fica séria. Hoje o barulho foi passatempo, não catarse. Mas não terá sido sempre assim?

no10.jpg

O saldo final é divergente. Os shows foram ok, mas o público não ajuda. Essa constatação somada ao valor dos ingressos e ao investimento para vir e sobreviver alguns dias em Oslo torna o Norwegian Wood um festival pouquíssimo atrativo, daqueles que a gente não indica para o amigo, porque sabe que o festival fica devendo. A não ser que a banda que você mais ame no mundo venha tocar aqui, e você queira pagar o preço para estar mais perto e a vontade com ela, Oslo merece sua visita. Caso contrário, escolha outro público. A coisa aqui é de norueguês para norueguês. Infelizmente. Uma pena.

oslo16.jpg

junho 16, 2013   No Comments

E no segundo dia, o sol saiu em Oslo

oslo21.jpg

Não há como: um dia de sol na vida é algo especial. Ainda mais destes lados nórdicos, em que a neve, a chuva e o frio são parceiros constantes em boa parte do ano. Apenas um dia nublado e com garoa, o sol saiu vitorioso em Christiania, antigo nome de Oslo, para alegria de turistas e, principalmente, dos noruegueses que tiraram os shorts e bermudas do armário e foram para a rua – boa parte das meninas optou pelo biquíni e partiu em direção a praça mais próxima.

oslo31.jpg

É muito difícil para um estrangeiro desligar-se do fator econômico na Noruega. Tudo aqui é caro demais para o custo de vida de qualquer outro país do mundo. Afinal estamos na terra em que uma latinha de coca-cola pode custar até R$ 10, uma boa cerveja pode sair por R$ 50, a passagem de ônibus é R$ 18 (valida por duas horas) e um prato em um restaurante não sai por menos de R$ 100 por pessoa. Assusta, mas não atrapalha o charme da cidade.

oslo41.jpg

A primeira sensação que tive é de que Oslo lembrava muito Budapeste. Claro, uma Budapeste de maior custo de vida, mas com algumas semelhanças. Talvez porque meu hotel seja no lado central da cidade em que drogas e prostituição estão à vista. Em Budapeste, as prostitutas trabalhavam no saguão do Ibis. Aqui não chega a acontecer isso, mas basta colocar a cabeça na rua pós 23h para ser apresentado a toda sorte de ofertas de sexo e drogas.

oslo51.jpg

Assim como Budapeste, em que os meus dois primeiros dias na cidade foram abençoados por uma chuva torrencial, e, após alguns dias em Praga, na volta o sol nos recebeu de braços abertos e a cidade exibiu seu sorriso mais charmoso, Oslo também fez o mesmo, permitindo um passeio de barco na baia da cidade e visitas a pontos turísticos como o Museu Kon-Tiki (já viu o filme?), o Museu de Barcos Vikings, o forte Akershus e a impressionante Opera House.

No primeiro dia achei a Opera House, projeto do escritório Snøhetta, um monstrengo meio sem sentido, mas basta passar uma tarde de pôr-do-sol caminhando sobre seu telhado que a admiração surge (apesar que ela deve ser deslumbrante nos dias de neve). Foram oito anos (2000 a 2008) de construção desta geleira escalável incrustrada no porto de Oslo, ao lado da estação central de trens. Acabou se tornando um dos meus lugares preferidos na cidade.

oslo7.jpg

Entre os pontos altos desta viagem está à visita a National Gallery, que destaca nestes dias uma exposição especial e imperdível comemorando 150 anos de Edward Munch (há um calendário com dezenas de comemorações da data). A mostra, dividida com o Museu Munch, exibe uma coleção emocional de obras do pintor norueguês, e gostei demais da primeira fase do artista, menos psicodélica que a segunda, mas tão melancólica quanto.

muncha.jpg

Quando criaram a comunidade do Scream & Yell no Orkut, optaram pelo quadro “O Grito”, de Munch, como símbolo do grupo. Achei a escolha perfeita embora não goste tanto assim da obra (que após ser roubada do Museu Munch, foi recuperada bastante danificada e está presente no acervo da National Gallery). Entre os meus quadros preferidos da mostra estão “Morning“, o darkissimo “Night at St. Cloud“, “The Day After” (acima), “The Kiss” e “White Night“.

oslo8.jpg

Outro destaque de Oslo foi uma visita ao Mathallen, um pequeno e charmoso mercado (no estilo do Chelsea Market, em Nova York) que exibe desde variedades de queijos e chocolates assim como frutos do mar, lanches, padaria e tudo mais. É uma ótima maneira se fugir da Karl Johans Gate, a avenida principal tomada por turistas, e encontrar noruegueses curtindo sua própria cidade. E os preços são mais em conta (mas nem tanto) do que nas ruas principais.

oslo92.jpg

Descobri o Mathallen porque estava procurando um local para comprar cervejas norueguesas para trazer para o Brasil. O Ratebeer indicava, entre outros locais, o Akersberget, um empório que também tem um restaurante e um bar no mercado. Peguei duas cervejas às cegas (indicadas pela simpática atendente Nicolina) e uma Nøgne Ø, mas fiquei intrigado pelo fato de não existir no empório nenhuma cerveja acima de 4,7% de álcool.

oslo10.jpg

No restaurante, ao pedir uma Nøgne Ø 500, uma Imperial IPA de 10%, para levar pro hotel, o garçom nos explicou: cervejas acima de 4,7% só podem ser compradas em Liquid Stores controladas pelo governo. A taxação sobre bebidas alcoólicas (e cigarro) é altíssima, o que eleva o preço. É proibido beber em público (mesmo que seja na varanda da sua casa). Menores de 18 anos são proibidos de comprar bebida alcoólica, e entre 18 e 20, apenas cerveja e vinho. E você só pode comprar álcool no domingo e feriados em bares, pubs e restaurantes.

oslo11.jpg

Funciona? Mais ou menos. As pessoas bebem moderadamente nos parques, mas o reflexo de uma lei tão rígida é o aumento no consumo de drogas sintéticas. Oslo apresenta uma das maiores taxas de morte por overdose per capita da Europa, e a maior da Escandinávia. A cidade possui o título de “capital europeia da heroína”, e, segundo o jornal britânico The Guardian, 10 gramas de heroína custa o mesmo valor que um pacote com 20 cigarros (afinal, ao contrário de bebida e cigarros, as drogas entram no país sem imposto). Complicado.

oslo12.jpg

Outro grande momento da viagem foi visitar a Rakk & Ralls (Rock & Roll), loja espetacular de vinis e CDs usados e novos em Oslo que merece o título de Amoeba norueguesa. De compactos de época dos Beatles, Stones, Clash e Sex Pistols, a boxes e CDs raros novos, a loja (que oferta bons preços) pode falir economias claudicantes. A dica esperta do amigo Fernando Augusto Lopes rendeu algumas preciosidades para o acervo pessoal, e se um dia eu voltar a essa cidade, passar na Rakk & Ralls será obrigatório.

oslo14.jpg

Hoje é meu último dia em Oslo, e apesar de respirar aliviado (pero no mucho, já que vou passar dois dias em Estocolmo, outra cidade de economia não praticável para cidadãos comuns do resto do mundo), já começo a sentir um carinho pela cidade. De 06 a 10 de agosto acontece o Øya Festival (com Blur, Slayer, Kraftwerk, Rodriguez, Cat Power e mais), e se pudesse voltaria pra cá pra conferir esse festival, que deve ser mais intenso que o pequeno Norwegian Wood Festival, mas isso é assunto para o próximo post…

oslo15.jpg

junho 16, 2013   No Comments

Bora para a Holanda

oslo3.jpg

Passeio boa poarte da quinta-feira em Oslo comparando preços de hotéis, voos e translado para decidir em qual festival ir, e o pequeno Best Kept Secret, na Holanda, venceu o enorme South Side, na Alemanha (eu queria muito ver o novo show do QOTSA, mas fica pra próxima). Na mudança de roteiro, Estocolmo perdeu dois dias de viagem. Agora chego lá na segunda e já na quarta parto para Eindhoven, na Holanda, onde montarei o QG Scream & Yell para acompanhar o festival (trem para ir e voltar mais shuttle de ônibus do festival todos os dias).

oslo4.jpg

O último trecho da viagem ficou assim:

17/06 – Estocolmo
18/06 – Estocolmo
19/06 – Eindhoven
20/06 – Eindhoven
21/06 – Hilvarenbeek Best Kept Secret
22/06 – Hilvarenbeek / Best Kept Secret
23/06 – Hilvarenbeek / Best Kept Secret
24/06 – Bruxelas
25/06 – Bruxelas
26/06 – Bruxelas / São Paulo

oslo5.jpg

Após dois dias nublados, com vento e chuva leve, Oslo amanheceu ensolarada nesta-feira. Na verdade, nem escureceu. A foto abaixo é a vista da janela do meu quarto ás duas da manhã. Hoje tem Nick Cave & The Bad Seeds com Band of Horses no Norwegian Wood Festival, mas os preços proibitivos para brasileiros (quase R$ 300 o ingresso) estão vencendo o desej0 de ir ao show, afinal amanhã tem Manic Street Preachers com My Bloody Valentine, e não há bolso que aguente dois shows seguidos nesse preço escandinavo…

oslo2.jpg

junho 14, 2013   No Comments

Europa 2013: Londres, Berlim e Oslo

Estou chegando à metade da viagem e sei que estou em débito de histórias. Não que não tenha acontecido nada interessante até agora, muito pelo contrário, mas o momento pessoal é de silêncio e reflexão, uma tentativa de entender o caos ou ao menos se proteger da tempestade que virá. Ainda assim, esta viagem está sendo bastante proveitosa e servindo para tirar o ranço de vez de cidades com quem não me dei tão bem numa primeira vez. Ao contrário do que possa parecer, essa viagem está sendo leve e calma. E estou curtindo isso.

Londres foi especialíssima. Lembro que antes de ir pra lá na primeira vez, amigos previam que eu iria enlouquecer na capital pop do mundo. Vindo de Barcelona e Paris, no entanto, Londres não me pegou de primeira, mas a relação foi amaciando nos anos seguintes, a ponto de, nesta vez, apenas acompanhar amigos, sem se preocupar em ter que ver isso e aquilo. Deixar se levar pelas ruas e pubs pelo simples prazer de estar em uma cidade instigante repleta de coisas para fazer. Definitivamente, Londres tornou-se uma parceria querida e quero sempre voltar.

Com Berlim, o buraco é mais embaixo. Foi a quarta vez que passei pela cidade, e a melhor, mas os fantasmas da guerra ainda me incomodam. Mesmo assim, impossível não se deslumbrar com essa cidade que sobrevive andando sobre escombros de sua própria história trágica. Adorei o bairro em que fiquei (Prenzlauer Berg) e me deslumbrei com a animação de um povo que sai enlouquecido para a rua numa terça-feira de madrugada. Deu vontade de ficar mais. Acho que, com o tempo, acostumaria com a cicatriz, embora ela permanecesse sempre ali.

Cheguei em Oslo às 22h45 de ontem, e a primeira impressão foi uma enorme surpresa. Aluguei um hotel novo, perto da estação central de trens, fiz check in, desfiz a mala e, passado da meia-noite, sai pra retirar dinheiro e comprar algo pra comer. Surpresa: essa área do centro de Oslo parece o Baixo Augusta dez anos atrás, bem tenso (não que o Baixo Augusta tenha deixado de ficar tenso, mas melhorou bastante nesse tempo) com prostituição, drogas e gente estranha. Quem diria que o primeiro local tenso da viagem seria na Noruega…

Agora é hora de decidir os próximos passos. Os preços de Oslo assustaram a minha cambaleante economia, então estou pensando seriamente em deixar Estocolmo de lado e procurar um lugar mais calmo (e mais barato). E vou optar pelo Best Kept Secret, na Holanda, ao South Side, na Alemanha. Precisar acertar estes últimos detalhes para seguir em frente. Depois, sair para a rua e ver como Oslo é de dia. E me preparar para perder o show de Nick Cave (com Band of Horses abrindo) amanhã aqui já que o ingresso custa R$ 285…

junho 13, 2013   No Comments

Noitada norte-americana em Londres

mudhoney3.jpg

Noitada norte-americana no Forum, em Londres: o Meat Puppets abriu os trabalhos com problemas no som, mas na hora que a coisa toda ajeitou, a barulheira do country punk dos caras fez bonito. E eles tocaram “aquelas músicas” do Nirvana. Na sequencia, Mudhoney. Lembro que três semanas atrás, em Nova York, fui ao show sem botar muita fé (hoje foi a nona vez que os vi ao vivo) e sai do Music Hall of Williamsburg com um sorrisão no rosto. Aconteceu de novo hoje. Ouso dizer que o Mudhoney está em sua melhor forma ao vivo. Que baita show. Imperdível. Aguardem no Brasil…

Set list
Poisoned Water
Slipping Away
I Like It Small
You Got It
Suck You Dry
Get Into Yours
Where the Flavor Is
Sweet Young Thing (Ain’t Sweet No More)
Judgement, Rage, Retribution and Thyme
No One Has
Good Enough
Douchebags on Parade
Touch Me I’m Sick
What to Do With the Neutral
I’m Now
The Final Course
I Don’t Remember You
Chardonnay
The Only Son of the Widow from Nain

Bis
Into the Drink
Here Comes Sickness
In ‘N’ Out of Grace
The Money Will Roll Right In
Hate the Police
Fix Me

mudhoney4.jpg

junho 8, 2013   No Comments

O dom de perder coisas…

Perdi minha câmera hoje. Uma das três que eu trouxe, a única semiprofissional, que eu tinha, pela primeira vez, escolhido para ser a câmera oficial da viagem. Sou reincidente em perder câmera e coisas em Londres. Ano passado deixei um pacote com um aplicativo da Apple que eu havia comprado para um amigo no vagão do metrô daqui. Era uma vez. Anos atrás, após sair do show do Television com a namorada, esqueci uma câmera num taxi coisas. A vida é feita de perdas (algumas idiotas), e ela me lembra constantemente disso.

Estou imensamente chateado porque eu estava começando a gostar de fotografar com a Rebel XTI, a câmera anterior da Lili, antes dela começar a usar a megaprofissional Canon 5D. Comecei a usar a XTI para testar, e logo as outras duas powershots ficaram de lado. Quando comecei a fotografar a viagem em Londres (aqui e aqui) pensei que, neste momento bastante particular que estou vivendo, não queria escrever sobre a viagem, mas mostrar olhares. Queria ficar quietinho, mudo, e deixar as imagens falarem por si.

Ainda não desisti disso. Apesar de estar em uma viagem econômica que está apenas começando (sabe-se lá como será a minha vida a partir de julho), o que explica ter entrado na Rough Trade, na Sister Ray e na HMV e não ter saído com as mãos abanando (e tinha muita coisa que eu queria, principalmente vinil), estou cogitando procurar uma Rebel XTI usada em Berlim, e continuar a saga. Vamos ver. Tanto quanto a câmera, sinto pelas fotos de hoje, algumas imagens bem bacanas (modéstia as favas) na Rough Trade e em Abbey Road.

Fora isso, Londres está linda. Linda. Sol e um pouco de vento, e uma garoa que nem vale ser citada porque, talvez, você a remeta ao tempo péssimo que baixa na cidade nos outros 10 meses do ano. Junho e julho, no entanto, é isso: uma cidade linda, viva e repleta de coisas para fazer. O domingo, no entanto, deverá ser corrido. Ainda preciso arrumar a mala e pegar algumas infos de como chegar de trem em Gatwick, donde parto para Berlim às 6 da manhã da segunda-feira. E beber com alguns amigos queridos. A vida segue…

junho 8, 2013   No Comments

Cinco fotos: Londres, 2013, Dia 2

junho 7, 2013   No Comments

Cinco fotos: Londres, 2013, Dia 1

junho 7, 2013   No Comments

Em Madri

barajas.jpg

Tenho quase certeza que Bunuel idealizou o caos de “Um Anjo Exterminador” após 10 horas em um voo da Iberia, mas não vou fazer drama sobre um voo que custou R$ 1400 em cinco vezes. Na imigração, o cara folheou meu novo passaporte (renovei no começo do ano), não fez um cara muito boa, então antes dele perguntar qualquer coisa apresentei o antigo, e sussa, mais um carimbo e bora pra Londres (espero que seja tão simples assim lá também).

junho 6, 2013   No Comments

A brincadeira começa hoje…

Lá vamos nós mais uma vez: 20 dias rodando a Europa. Está quase tudo certo no roteiro só faltando bater o martelo entre ver o South Side Festival, na Alemanha, ou o Best Kept Secret, na Holanda. O cansaço é enorme, o que vai ajudar o cochilo providencial no voo para Londres (com escala em Madri), mas acredito que será uma das viagens mais leves e idílicas que já fiz. Um pouco por estar sem grana e precisar economizar e outro tanto por estar a fim de contemplação, e não de correria desenfreada, como no ano passado. Uma boa viagem para nós.

06/06 – Londres (Elvis Costello no Royal Albert Hall)
07/06 – Londres
08/06 – Londres
09/06 – Londres
10/06 – Berlim
11/06 – Berlim
12/06 – Berlim
13/06 – Oslo
14/06 – Oslo – Norwegian Wood Festival
15/06 – Oslo – Norwegian Wood Festival
16/06 – Oslo
17/06 – Estocolmo
18/06 – Estocolmo
19/06 – Estocolmo
20/06 – Estocolmo
21/06 – Alemanha ou Holanda
22/06 – Alemanha ou Holanda
23/06 – Alemanha ou Holanda
24/06 – Bruxelas
25/06 – Bruxelas
26/06 – Bruxelas / São Paulo

junho 5, 2013   No Comments